A água é um fator chave para o desenvolvimento sustentável. Precisamos dela para a saúde, segurança alimentar e progresso econômico.” Ban Ki-moon – Secretário-geral da Organização das Nações Unidas

Água potável é a água tratada adequada para o consumo humano e animal, livre de qualquer tipo de micro-organismos, sólidos em suspensão e substâncias tóxicas que causam contaminação e doenças. É a água boa para o consumo, que não causa nenhum risco à saúde e é agradável aos sentidos.

Você sabia que a água potável só foi reconhecida como um direito humano no dia 28 de julho de 2010? Naquela data, esse direito internacional foi decretado pela Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas).

Por meio da resolução 64/292, a ONU reconhece que o acesso à água segura e limpa (potável) e ao saneamento básico é um direito humano essencial para o total desfruto da vida e de todos os direitos humanos.

O que é Água Potável

As características físicas, químicas, biológicas e radioativas da água indicam os seus parâmetros de potabilidade. As características físicas são facilmente percebidas pelos órgãos dos sentidos e, muitas vezes, é por causa delas que deixamos de beber uma água. Dentre as características físicas da água, poderíamos citar a cor, o odor, o sabor e a turbidez.

As características físicas, químicas, biológicas e radioativas da água indicam os seus parâmetros de potabilidade

As características físicas, químicas, biológicas e radioativas da água indicam os seus parâmetros de potabilidade

Cor da Água

A água potável deve ser preferencialmente incolor, inodora e possuir sabor agradável ao paladar. Partículas de origem orgânica, tais como ácidos húmicos e fúlvicos, e de origem mineral tais como resíduos industriais, compostos de ferro e manganês são algumas das responsáveis pela coloração de águas naturais. A cor da água pode variar de acordo com as substâncias nela presentes: se rica em manganês a cor é negra, se rica em ferro avermelhada e se rica em ácidos húmicos a cor é amarelada.

Pode-se constatar eventualmente a ocorrência de cor branca ou turva na água que sai das torneiras. Trata-se de hipótese em que existe ar dissolvido na água com formação de pequenas bolhas, originado pelas oscilações de pressão nas tubulações ou nos reservatórios de água. Esta aparência esbranquiçada é pontual e passageira, não afetando a qualidade da água.

Odor

Para o consumo humano, o padrão de potabilidade exige que a água seja completamente inodora. O odor na água é devido, principalmente, pela presença de substâncias orgânicas, sendo que certos odores são indicativos de aumento da atividade biológica. O odor também é uma das formas de averiguar a existência de certos produtos químicos na água e podem ser indicativos de poluição industrial. Substâncias químicas tóxicas como clorobenzenos, clorofenóis, fenóis e sulfeto de hidrogênio apresentam odores bem característicos.

Sabor

A água potável deve possuir sabor agradável ao paladar dos consumidores. As alterações ao sabor da água são o motivo maior de reclamações. Uma das causas de alteração de sabor é a presença de cloro. Em águas tratadas com cloro (com o objetivo de eliminar bactérias e outros microrganismos que possam contaminar a água na rede pública) pode ocorrer a reação do cloro com matéria orgânica e causar odores e sabores devido à formação de certos compostos.

Turbidez

Já a turbidez é a característica física que indica as partículas que impedem a passagem de luz pela água, ficando em suspensão. As partículas podem ser de areia, restos de folha e até mesmo seres vivos como algas, protozoários e bactérias que além de turbidez, também podem causar à água cor, sabor e odor.

A erosão, o escoamento de água de locais impermeabilizados nas cidades e a contaminação proveniente de zonas de mineração  são os principais fatores que alteram a turbidez da água.

 Certo é que a cor, odor, sabor e turbidez afetam as percepções e os comportamentos dos consumidores de água.  Embora as diretrizes para a potabilidade da água estejam previstas em regras próprias do Ministério da Saúde, não há garantia de que os consumidores estarão satisfeitos com o abastecimento de água que atendem a esse regramento.

As características químicas da água, por sua vez, também são de extrema importância, pois podem inviabilizar o uso de certas tecnologias de tratamento ou exigir tratamentos específicos.  Destaca-se, dentre outras não menos relevantes, as seguintes características: o pH, alcalinidade, acidez e a dureza da água.

pH – Potencial Hidrogêniônico

O pH representa a intensidade das condições ácidas ou alcalinas do meio líquido, por meio da medição da concentração de íons hidrogênio. Na água, este fator é de grande importância, principalmente nos processos de tratamento.

O valor do pH varia de 0 a 14 em escala, sendo condições ácidas inferior a 7 e alcalinas superior a 7.  A água, como substância pura, possui pH neutro, ou seja,  igual a 7.

O pH da água pode indicar possíveis contaminações químicas e tem implicação sobre a qualidade da água destinada ao consumo humano. O intervalo de pH para águas de abastecimento público deve estar na faixa entre 6.0 a 9.5. Este parâmetro tem por objetivo minimizar os problemas de incrustação e corrosão das redes de distribuição.

Alcalinidade

Entre as impurezas encontradas na água, existem aquelas que são capazes de reagir com os ácidos, podendo neutralizar certa quantidade desses reagentes. Essas impurezas conferem às águas a característica de alcalinidade” (OLIVEIRA, Aline Maxiline Pereira. Alcalinidade e dureza das águas. São Paulo, 2007).

A alcalinidade indica a quantidade de íons na água que reagem para neutralizar os íons hidrogênio (H+) provenientes dos ácidos. Constitui-se, portanto, em uma medição da capacidade da água de neutralizar os ácidos, servindo para demonstrar a capacidade de tamponamento da água, isto é, sua condição de resistir a mudanças do pH. A medida da alcalinidade é de fundamental importância durante o processo de tratamento de água, pois, é em função do seu teor que se estabelece a dosagem dos produtos químicos utilizados.

Acidez

A acidez decorre, fundamentalmente, da presença de gás carbônico livre na água, e indica a capacidade da água em resistir às mudanças de pH. Pode ter origem natural, como por exemplo, o caso do CO2 absorvido da atmosfera ou resultante da decomposição de matéria orgânica, ou ainda pode ter origem pela ação do homem, como no caso dos despejos industriais. Águas com acidez mineral são desagradáveis ao paladar e desaconselhadas para o uso doméstico.

Dureza

A dureza da água é uma característica química que indica o teor de sais de cálcio, magnésio, ferro, manganês, estrôncio e alumínio com a inclusão dos carbonatos, sulfatos, cloreto de cálcio e cloreto de magnésio. A dureza, da mesma forma que a acidez, também pode ter origem natural, como, por exemplo, a dissolução de rochas calcárias, ricas em cálcio e magnésio ou pode ter origem pela ação do homem como no caso do lançamento de efluentes industriais.  As águas de dureza elevada provocam incrustações nas tubulações de água quente, caldeiras e aquecedores e também reduzem a formação de espuma, gerando, por consequência um maior consumo de sabões e xampus.

Dentre as características biológicas da água, destacam-se os Coliformes, que são indicadores de presença de microrganismos patogênicos na água e as Algas, que em grandes quantidades trazem inconvenientes como odor, sabor, cor, turbidez e toxidez, interferindo, inclusive nos processos de tratamento da água.

No Brasil, o padrão de potabilidade vigente está estabelecido na Portaria de Consolidação nº 5 do Ministério da Saúde, que consolidou as normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. O Anexo XX da referida Portaria de Consolidação dispõe sobre os procedimentos e as responsabilidades relativos ao controle e à vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

A inclusão ou exclusão de determinados parâmetros para o padrão de potabilidade depende de vários fatores, como por exemplo, a presença de novas classes de contaminantes em razão do crescente avanço da indústria na produção de compostos orgânicos, agrotóxicos e produtos de desinfecção.

Água potável, Um Recurso Raro e Vital

A água doce é, sem dúvida, o mais precioso recurso natural e a cada dia se torna mais urgente o seu uso racional.

Principalmente porque a água doce representa menos de 3% de todo o volume de água existente no planeta.

A água é um elemento tão essencial e trivial para os seres humanos que, talvez por isso, muitos de nós pensamos que água potável e água pura são exatamente a mesma coisa.

Mas além dessa presença minoritária, a estrondosa demanda de água de cidades e indústrias, as mudanças climáticas e as crises hídricas tornam o acesso equitativo à potável um desafio ainda maior.

A propósito, a ONU, por meio da Organização Mundial de Saúde (OMS) , define a água potável como aquela:

  • totalmente livre de agentes patogênicos e de altos níveis de substâncias tóxicas
  • que é utilizada para atividades essenciais como ingestão, lavagem e cozimento de alimentos, preparo de refeições e higiene pessoal (banhos, escovação de dentes e outras necessidades).

No Brasil, os padrões de potabilidade da água são estabelecidos pela Portaria de Consolidação Nº 5, do Ministério da Saúde (MS).

De maneira específica, é o Anexo XX desta Portaria (editada em 28 de setembro de 2017) que dispõe sobre o controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

Nele estão descritos padrões microbiológicos, regras para a coleta de amostras, valores permitidos de turbidez, normas para a desinfecção com cloro, ozônio e ultravioleta, doses máximas de substâncias químicas e outras diretrizes.

Lei em SP Obriga Fornecimento de Água Potável

Em alguns lugares do mundo, a água potável é oferecida gratuitamente a clientes e frequentadores de cafés, bares e restaurantes. Essa é uma prática comum em cidades dos Estados Unidos, França e de outros países europeus. 

E, recentemente, a cidade de São Paulo ganhou uma legislação que torna essa gentileza obrigatória em bares, hotéis, restaurantes, lanchonetes, padarias, cafeterias e estabelecimentos congêneres que comercializam água engarrafada.

Segundo a Lei Municipal Nº 17.453/20, promulgada em 9 de setembro de 2020, esses estabelecimentos “ficam obrigados a servirem ‘Água da Casa’ a seus clientes, sempre que esta for solicitada, de forma gratuita”.

Para esclarecer, a legislação explica que ‘Água da Casa’ é aquela de composição normal, proveniente de fontes naturais ou artificialmente captadas, que tenha passado por dispositivo filtrante no estabelecimento onde é servida e que se enquadre nos parâmetros federais de potabilidade para o consumo humano.

Por fim, o texto enfatiza que a ‘Água da Casa’ deve constar no cardápio, de modo visível, informando os consumidores sobre sua oferta e avisa que o descumprimento da lei pode acarretar multas que vão de R$ 1.000,00 a R$ 8.000,00.

Vale frisar que legislações semelhantes a essa já vigoram nos estados do Rio de Janeiro, do Espírito Santo e também no Distrito Federal.

Tratamento da Água

O tratamento de água para consumo humano inclui técnicas de remoção de microrganismos emergentes e micro contaminantes orgânicos. As técnicas de tratamento incluem coagulação, floculação, decantação, filtração, desinfecção e fluoretação e garantem a eficácia na clarificação e desinfecção da água.  A filtração com membranas, especificamente, é considerado um processo de tratamento altamente eficaz para a remoção de vários compostos orgânicos dissolvidos, como agrotóxicos e microrganismos patogênicos.

Água 100% Potável e Tratada em Casa

Teoricamente falando, a água que chega às torneiras de nossas casas – previamente higienizada e desinfetada nas Estações de Tratamento de Água (ETA) – já é apropriada ao consumo humano.

Eventualmente, contudo, essa água se torna insegura e inadequada para as nossas necessidades porque apresenta instabilidades que comprometem a sua total potabilidade.

Isso pode ocorrer devido à presença de resíduos orgânicos e inorgânicos, excesso de cloro e outras micropartículas que, por vezes, são carreadas pela tubulação.

Essas anormalidades podem ser causadas por vazamentos, rompimentos e manutenções na rede de abastecimento, excesso de chuvas e problemas durante o tratamento da água nas ETAs.

Para solucionar esses problemas e, assim, ter água 100% potável e tratada em casa, a melhor alternativa é a aquisição de um dos modelos de Filtro de Água FUSATI – equipamentos dotados de tecnologia, precisão operacional e a confiança de mais de 50 mil clientes espalhados pelo Brasil.

Filtro de Água de Central • Tratamento de Água • Casa, Residências, Condomínio, Prédio Residencial Comercial • FUSATI Filtro de Água

A FUSATI – empresa especializada em filtros de água e sistemas de tratamento de água – desenvolve e comercializa modernos e eficientes Filtros Centrais há quatro décadas.

A linha de Filtros Centrais FUSATI está presente em todo o Brasil, garantindo o tratamento e a distribuição de água potável e totalmente segura em lares, condomínios, comércios, empresas, hospitais, hotéis e indústrias. 

Equipamentos Filtrantes e Inoxidáveis

Geralmente, o Filtro Central é instalado após a entrada de água do imóvel. Essa localização estratégica permite a filtragem de toda a água fornecida pela rede de abastecimento.

Isso quer dizer que, depois de ser tratada pelo Filtro de Água FUSATI, a água potável é distribuída para todos os pontos hidráulicos da casa, prédio ou instalação comercial. Tanto para a caixa d’água quanto para as torneiras, chuveiros e registros que recebem água direto da rua.

Os carros-chefes do catálogo de filtros da FUSATI são os modelos Atlântico, Índico e Pacífico.

Filtro de Água de Entrada e Filtro Central • Tratamento de Água • Casa, Condomínio, Prédio Residencial Comercial • FUSATI Filtro de Água e Tratamento de Água

Esses três modelos foram desenvolvidos para receber vazões que variam de 800 litros por hora a 2.000 litros/hora.

Essa versatilidade operacional permite que sejam utilizados em diferentes lugares – residências, lojas, escritórios, clínicas, lavanderias e empresas – para assegurar o fornecimento de água potável para o consumo humano.

À primeira vista, porém, a principal característica dos Filtros Centrais FUSATI, e que logo chama a atenção do consumidor, é a sua consistente estrutura física. 

Robustos, são filtros construídos em aço inox 304 (versão mais tradicional da liga de metal) ou aço inox 316, variação mais resistente do material que é indicada para regiões litorâneas, onde a ação da maresia é bastante agressiva.

Já em seu interior, os Filtros FUSATI possuem sete camadas de quartzo, minério que é um dos mais eficientes elementos filtrantes. Aliás, sua utilização na higienização da água é milenar.

Na prática, as sete barreiras de quartzo fazem a remoção de impurezas e micro-partículas de 5 a 15 mícrons (μm) que estão presentes na água. 

Além de garantir o fornecimento de água potável e livre de impurezas, a ação do quartzo evita o acúmulo de sujeira, incrustações, minérios e resíduos de ferrugem no encanamento. Exemplo: o Filtro Central FUSATI remove metais como ferro e manganês, que normalmente compõem a água proveniente de poços artesianos.

Vale dizer que todas essas ações filtrantes aumentam a vida útil de dispositivos e eletrodomésticos conectados à rede hidráulica como registros, torneiras, chuveiros, máquinas de lavar e outros.

Mas ainda há outras vantagens exclusivas do Filtro Central FUSATI como a facilidade de instalação, a economia de energia elétrica (funciona apenas com a pressão da água), o recurso da retrolavagem, o funcionamento ‘by pass’ (para eventuais reparos ou manutenções) e o selo de garantia/segurança do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia).

Água Tratada para o setor industrial

Já em situações que exigem grandes demandas de água tratada – por exemplo, indústrias e condomínios – a FUSATI projeta e instala Estações de Tratamento de Água (ETAs) pressurizadas, compactas e modulares.

As Estações Compactas de Tratamento de Água (ETA) e Tratamento de Esgoto (ETE) do Grupo FUSATI são ideais para condomínios, hospitais e estabelecimentos comerciais (hotel, lava-rápidos, clubes, restaurantes, hotéis, frigoríficos, shoppings) e também em todos os locais não atendidos pela rede pública.

As ETAs FUSATI são dispositivos ideais para indústrias, lavanderias, hospitais, hotéis, spas, shoppings, clubes, frigoríficos, instituições de ensino e outros estabelecimentos.

Em todos esses negócios, nossas Estações de Tratamento de Água (ETAs) se consolidaram como sinônimos de água tratada, potável e de alta qualidade, tanto para processos fabris quanto para o consumo seguro de grandes públicos.

Fale com a gente!

Consulte a FUSATI

Telefone/WhatsApp: (19) 3301-6660

A FUSATI contribui para a questão da proteção e controle da qualidade da água de consumo humano. Com profissionais capacitados e envolvidos na questão da água, a FUSATI está a todo o momento criando produtos e tecnologias sustentáveis para a proteção da saúde humana.

Clientes Residenciais, Comerciais e Industriais espalhados por todo o Brasil Casas e Condomínios Horizontais e Verticais

Clientes Residenciais, Comerciais e Industriais espalhados por todo o Brasil
Sumário
Água Potável e Seu Tratamento
Nome do Artigo
Água Potável e Seu Tratamento
Descrição
Água potável é a água tratada adequada para o consumo humano e animal, livre de qualquer tipo de micro-organismos, sólidos em suspensão e substâncias tóxicas que causam contaminação e doenças. É a água boa para o consumo, que não causa nenhum risco à saúde e é agradável aos sentidos.
Autor
Publicado por
FUSATI
Marca
Podemos ajudar! Fale com um especialista em Tratamento e Filtros de Água.