A água é um fator chave para o desenvolvimento sustentável. Precisamos dela para a saúde, segurança alimentar e progresso econômico.” Ban Ki-moon – Secretário-geral da Organização das Nações Unidas

Água potável é a água tratada adequada para o consumo humano e animal, livre de qualquer tipo de micro-organismos, sólidos em suspensão e substâncias tóxicas que causam contaminação e doenças. É a água boa para o consumo, que não causa nenhum risco à saúde e é agradável aos sentidos.

As características físicas, químicas, biológicas e radioativas da água indicam os seus parâmetros de potabilidade. As características físicas são facilmente percebidas pelos órgãos dos sentidos e, muitas vezes, é por causa delas que deixamos de beber uma água. Dentre as características físicas da água, poderíamos citar a cor, o odor, o sabor e a turbidez.

As características físicas, químicas, biológicas e radioativas da água indicam os seus parâmetros de potabilidade

As características físicas, químicas, biológicas e radioativas da água indicam os seus parâmetros de potabilidade

Cor da Água

A água potável deve ser preferencialmente incolor, inodora e possuir sabor agradável ao paladar. Partículas de origem orgânica, tais como ácidos húmicos e fúlvicos, e de origem mineral tais como resíduos industriais, compostos de ferro e manganês são algumas das responsáveis pela coloração de águas naturais. A cor da água pode variar de acordo com as substâncias nela presentes: se rica em manganês a cor é negra, se rica em ferro avermelhada e se rica em ácidos húmicos a cor é amarelada.

Pode-se constatar eventualmente a ocorrência de cor branca ou turva na água que sai das torneiras. Trata-se de hipótese em que existe ar dissolvido na água com formação de pequenas bolhas, originado pelas oscilações de pressão nas tubulações ou nos reservatórios de água. Esta aparência esbranquiçada é pontual e passageira, não afetando a qualidade da água.

Odor

Para o consumo humano, o padrão de potabilidade exige que a água seja completamente inodora. O odor na água é devido, principalmente, pela presença de substâncias orgânicas, sendo que certos odores são indicativos de aumento da atividade biológica. O odor também é uma das formas de averiguar a existência de certos produtos químicos na água e podem ser indicativos de poluição industrial. Substâncias químicas tóxicas como clorobenzenos, clorofenóis, fenóis e sulfeto de hidrogênio apresentam odores bem característicos.

Sabor

A água potável deve possuir sabor agradável ao paladar dos consumidores. As alterações ao sabor da água são o motivo maior de reclamações. Uma das causas de alteração de sabor é a presença de cloro. Em águas tratadas com cloro (com o objetivo de eliminar bactérias e outros microrganismos que possam contaminar a água na rede pública) pode ocorrer a reação do cloro com matéria orgânica e causar odores e sabores devido à formação de certos compostos.

Turbidez

Já a turbidez é a característica física que indica as partículas que impedem a passagem de luz pela água, ficando em suspensão. As partículas podem ser de areia, restos de folha e até mesmo seres vivos como algas, protozoários e bactérias que além de turbidez, também podem causar à água cor, sabor e odor.

A erosão, o escoamento de água de locais impermeabilizados nas cidades e a contaminação proveniente de zonas de mineração  são os principais fatores que alteram a turbidez da água.

 Certo é que a cor, odor, sabor e turbidez afetam as percepções e os comportamentos dos consumidores de água.  Embora as diretrizes para a potabilidade da água estejam previstas em regras próprias do Ministério da Saúde, não há garantia de que os consumidores estarão satisfeitos com o abastecimento de água que atendem a esse regramento.

As características químicas da água, por sua vez, também são de extrema importância, pois podem inviabilizar o uso de certas tecnologias de tratamento ou exigir tratamentos específicos.  Destaca-se, dentre outras não menos relevantes, as seguintes características: o pH, alcalinidade, acidez e a dureza da água.

pH – Potencial Hidrogêniônico

O pH representa a intensidade das condições ácidas ou alcalinas do meio líquido, por meio da medição da concentração de íons hidrogênio. Na água, este fator é de grande importância, principalmente nos processos de tratamento.

O valor do pH varia de 0 a 14 em escala, sendo condições ácidas inferior a 7 e alcalinas superior a 7.  A água, como substância pura, possui pH neutro, ou seja,  igual a 7.

O pH da água pode indicar possíveis contaminações químicas e tem implicação sobre a qualidade da água destinada ao consumo humano. O intervalo de pH para águas de abastecimento público deve estar na faixa entre 6.0 a 9.5. Este parâmetro tem por objetivo minimizar os problemas de incrustação e corrosão das redes de distribuição.

Alcalinidade

Entre as impurezas encontradas na água, existem aquelas que são capazes de reagir com os ácidos, podendo neutralizar certa quantidade desses reagentes. Essas impurezas conferem às águas a característica de alcalinidade” (OLIVEIRA, Aline Maxiline Pereira. Alcalinidade e dureza das águas. São Paulo, 2007).

A alcalinidade indica a quantidade de íons na água que reagem para neutralizar os íons hidrogênio (H+) provenientes dos ácidos. Constitui-se, portanto, em uma medição da capacidade da água de neutralizar os ácidos, servindo para demonstrar a capacidade de tamponamento da água, isto é, sua condição de resistir a mudanças do pH. A medida da alcalinidade é de fundamental importância durante o processo de tratamento de água, pois, é em função do seu teor que se estabelece a dosagem dos produtos químicos utilizados.

Acidez

A acidez decorre, fundamentalmente, da presença de gás carbônico livre na água, e indica a capacidade da água em resistir às mudanças de pH. Pode ter origem natural, como por exemplo, o caso do CO2 absorvido da atmosfera ou resultante da decomposição de matéria orgânica, ou ainda pode ter origem pela ação do homem, como no caso dos despejos industriais. Águas com acidez mineral são desagradáveis ao paladar e desaconselhadas para o uso doméstico.

Dureza

A dureza da água é uma característica química que indica o teor de sais de cálcio, magnésio, ferro, manganês, estrôncio e alumínio com a inclusão dos carbonatos, sulfatos, cloreto de cálcio e cloreto de magnésio. A dureza, da mesma forma que a acidez, também pode ter origem natural, como, por exemplo, a dissolução de rochas calcárias, ricas em cálcio e magnésio ou pode ter origem pela ação do homem como no caso do lançamento de efluentes industriais.  As águas de dureza elevada provocam incrustações nas tubulações de água quente, caldeiras e aquecedores e também reduzem a formação de espuma, gerando, por consequência um maior consumo de sabões e xampus.

Dentre as características biológicas da água, destacam-se os Coliformes, que são indicadores de presença de microrganismos patogênicos na água e as Algas, que em grandes quantidades trazem inconvenientes como odor, sabor, cor, turbidez e toxidez, interferindo, inclusive nos processos de tratamento da água.

No Brasil, o padrão de potabilidade vigente está estabelecido na Portaria de Consolidação nº 5 do Ministério da Saúde, que consolidou as normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. O Anexo XX da referida Portaria de Consolidação dispõe sobre os procedimentos e as responsabilidades relativos ao controle e à vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade.

A inclusão ou exclusão de determinados parâmetros para o padrão de potabilidade depende de vários fatores, como por exemplo, a presença de novas classes de contaminantes em razão do crescente avanço da indústria na produção de compostos orgânicos, agrotóxicos e produtos de desinfecção.

Tratamento da Água

O tratamento de água para consumo humano inclui técnicas de remoção de microrganismos emergentes e micro contaminantes orgânicos. As técnicas de tratamento incluem coagulação, floculação, decantação, filtração, desinfecção e fluoretação e garantem a eficácia na clarificação e desinfecção da água.  A filtração com membranas, especificamente, é considerado um processo de tratamento altamente eficaz para a remoção de vários compostos orgânicos dissolvidos, como agrotóxicos e microrganismos patogênicos.

A FUSATI contribui para a questão da proteção e controle da qualidade da água de consumo humano. Com profissionais capacitados e envolvidos na questão da água, a FUSATI está a todo o momento criando produtos e tecnologias sustentáveis para a proteção da saúde humana.

Sumário
Água Potável e Seu Tratamento
Nome do Artigo
Água Potável e Seu Tratamento
Descrição
Água potável é a água tratada adequada para o consumo humano e animal, livre de qualquer tipo de micro-organismos, sólidos em suspensão e substâncias tóxicas que causam contaminação e doenças. É a água boa para o consumo, que não causa nenhum risco à saúde e é agradável aos sentidos.
Autor
Publicado por
Grupo FUSATI
Marca
Podemos ajudar! Fale com um especialista em Tratamento e Filtros de Água.
Powered by